martha-cor3-620

Corra, Martha, vamos catar tanajuras para o almoço.
– E é gostoso?
– Se é eu não sei, mas é o que temos para hoje.

Tive este diálogo com meu irmão na minha infância. Aqueles tempos difíceis eram apenas um tira-gosto do que a vida me reservava para mais tarde.

A luta de minha formação profissional foi dura. Conquistei meu primeiro emprego aos 25 anos na Telebrasília S/A, fato que marca o início de uma fase promissora e de muitas alegrias. Casei-me, tive filhos maravilhosos, adquiri casa própria, mudei de cidade, comprei outro imóvel e ia saborosamente tocando a vida. A aposentadoria chegou e eu degustava uma existência que fora muito dura no início mas que foi transformada com muita luta. A vida estava sendo generosa comigo, estava me trazendo tantas delícias que até podia escolher.

Bem, mas isso não durou muito não. Problemas de saúde interromperam minha paz e prometiam até mesmo cessar minha existência. Meu novo inimigo tinha um nome que muitas pessoas nem gostam de pronunciar pois está ligado a muita dor e em muitos casos ao fim da vida. Era câncer. A doença chegou pelo colo do útero, foi detectada também no intestino e posteriormente me atingiu os pulmões. O desafio era enorme, mas eu estava pronta para resistir. Não deixaria este mal me levar embora.

Quanto maior o desafio mais intensa precisa ser a força de vontade e a garra em lutar.

A fé viva em Deus alimentou minhas esperanças e me confortou enquanto eu fazia o tratamento. A satisfação de vencer é almejada por todos. Acontece que a palavra vencer não existiria se não houvessem obstáculos. Quanto maior o desafio mais intensa precisa ser a força de vontade e a garra em lutar. Desistir nunca.

Vivi um período de muita luta e finalmente minha doença foi contornada. Atualmente dirijo minha empresa de buffet e frequento aulas de gastronomia na faculdade. Sim, quero aprimorar os serviços de minha empresa e quem sabe desenvolver uma saborosa receita de tanajuras. Assim poderei degusta-las por escolha e não por única opção.

-
História escrita por Martha Fernandes dos Santos