neymar-630

A Igreja de Nossa Senhora da Piedade, em Barbacena, está lotada de fiéis. São crianças, adolescentes, jovens, mulheres, homens, idosos e até cachorros nas portas laterais. Todos compenetrados no discurso esperançoso do padre. Muitos rezam baixinho, alguns fingem orar, outros olham incessantemente para o relógio e há aqueles que puxam os braços dos pais perguntando se falta muito para acabar. Por que será?

A missa chegou ao fim. Aqueles, que olhavam as horas, fingiam rezar ou cutucavam os pais correram para o jardim em frente à Igreja. Juntaram-se às dezenas de outras pessoas que lá estavam, trazendo nas mãos centenas de figurinhas do álbum da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014, para negociar.

É bonito assistir aquele corre-corre, gritos de alegria quando se consegue uma figurinha difícil de ser encontrada, palavrões na boca de muitos quando abrem o pacotinho e só tem repetidas. Em algumas mãos, uma lista numérica das figurinhas faltantes. Outros, de tanto folhear o álbum, já sabem o que lhes falta. Há aqueles que procuram as figurinhas pelo número ou pelo nome do jogador.

A tecnologia chegou e muitos colecionadores utilizam um aplicativo para celular, que mostra a numeração das mais de 600 figurinhas e se pode dar baixa nas figurinhas encontradas. A poucos metros, ouvimos o barulhinho característico da digitação. Ali, misturam-se mulheres e homens de todas as idades negociando com meninos, meninas, adolescentes e jovens.

Alguém passou e perguntou a um sessentão rodeado de jovens:
- Até você, Fernando? Depois de velho virou criança?
Timidamente, ele responde:
- Estou ajudando a completar o álbum do meu netinho, ele tem apenas 9 anos!

A negociação acontece nas filas dos bancos, lotecas, casas comerciais, internet... Fui ao Banco do Brasil e presenciei a discussão de um grupo de jovens sobre os jogadores mais feios e os mais bonitos. O mais bonito foi unanimidade, Cristiano Ronaldo da seleção de Portugal. Já, o Ramires da seleção brasileira foi eleito o mais feio.

A figurinha mais difícil de se conseguir é a do Neymar, as que todos têm são as do Marcelo e a do “Tatu”, como se referem à mascote Fuleco.

Essa mania chegou à minha casa, minhas filhas Marina e Ana Carolina e minha neta Ana Luísa se debruçam sobre a mesa para negociar. Nada de irmandade ou elo tia/sobrinha. É dinheiro para cá e figurinha para lá ou figurinha para lá e figurinha para cá. É transação mesmo.

Eu me realizo na fantasia delas porque já fui um colecionador contumaz. Naquele tempo, existiam as figurinhas carimbadas, valiam ouro. Havia aquelas nem tão fáceis e nem tão difíceis, que a gente trocava por cinco, dez ou vinte figurinhas. Tudo dependia da lábia ou da persuasão do negociador. Existiam álbuns cujas figurinhas davam direito a um prêmio. Nos bancos dos jardins ou mesmo no chão praticávamos o bafo.

Por falar em bafo, perguntei a um menino que trocava figurinhas se ele sabia o que era. Ele me olhou ressabiado e respondeu: bafo é mau hálito! Os colegas riram em aprovação. O jogo é uma brincadeira muito comum entre os colecionadores de figurinhas. Ela tem esse nome porque o bafo, isto é, o vento, provocado pelas mãos durante a batida no monte de figurinhas é que vira as figurinhas.

O objetivo do jogo é ganhar figurinhas de um determinado álbum de cromos e as regras são bastante simples. Dois ou mais jogadores formam uma roda, sentados ao redor das figurinhas que estão sendo disputadas. Cada jogador coloca uma quantidade igual de figurinhas. O monte de figurinhas é agrupado, em seguida é sorteada a ordem de ação dos participantes. Acertada a sequência de participação, um jogador por vez arruma o monte, colocando todas as figurinhas de frente e batendo com a mão sobre o monte de figurinhas. Aquelas que virarem são recolhidas pelo participante que acabou de bater. O processo continua até que terminem todas as figurinhas do monte.

Importante é observar que não se podem utilizar os dedos para simplesmente virar as figurinhas, deve-se bater sobre as figurinhas, seja com a mão completamente aberta ou com a mão levemente em "forma de concha".

E aí, quem tem figurinha para trocar ou vender? Preciso do Neymar, Iniesta, Messi e (acreditem) duas do “Tatu”. Então, a gente se encontra na praça!

-
Escrito por Francisco de Santana
(com pesquisa: Wikipédia)