Fiquei feliz ao reencontrar a Madalena, Lena para os íntimos. Quem é Madalena? É uma conhecida que jamais esquecerei. Como a conheci? Ela me procurou quando eu acabara de me formar em Direito para fazer sua separação judicial. Madalena é importante na minha vida, porque foi a minha primeira, única e última cliente. Sempre fui um bacharel em Direito mediador e conselheiro. Advogado, nunca. Mediei muitos litígios, aconselhei, recebi ameaças dos mais exaltados. Tudo é compreensível, aceitável e amadureceu-me. O caso da Madalena foi surreal, inimaginável, chegando perto do absurdo. Ele aconteceu num mês de maio de um ano qualquer.

Madalena, 27 anos, casada, franzina, dois filhos, faxineira. Seu marido, Luiz Alberto, 30 anos, militar e fortíssimo fisicamente. O ciúme doentio dominava o casal.

No mês de maio, Barbacena realiza a tradicional exposição agropecuária e industrial. É inegável dizer que as apresentações artísticas levam ao evento milhares de pessoas. Cada ano, o público fica mais exigente e solicita a presença de artistas consagrados. Nesse, em especial, vieram o grupo É o Tchan e a dupla Zezé de Camargo e Luciano. Até aí tudo bem, tudo normal até que... surgiu um grande ciúme.

Madalena é fã ardorosa do Zezé. Ela se preparou física e psicologicamente para ir ao show e ver seu grande ídolo bem de pertinho. A apresentação da dupla estava marcada para acontecer às 23h, mas às 19 Madalena já estava lá com seus dois filhos para garantir seu lugar bem perto do palco. Luiz Alberto estava de serviço nessa noite na exposição e foi ficar ao lado da esposa e filhos. Às 23h30 Zezé e Luciano começam a cantar "É o amooor, que mexe com a minha cabeça e me deixa assim...” Madalena estava eufórica, emocionada, cantava com eles, aplaudia, gritava e chorava. Êxtase total. O marido assistia tudo sem pronunciar uma só palavra. Fim do show. Em casa, Luiz Alberto perguntou:

— Lena, que alegria é essa estampada no seu rosto? Há muito tempo não vejo esse sorriso de felicidade nos seus lábios.

— É o amor Luiz Alberto, é o amor. Acho que estou apaixonada pelo Zezé de Camargo.

Que homem lindo, charmoso, maravilhoso, gostoso, que vontade de apertar ele, beijar ele e de fazer amor com ele. E aquela calça apertada... Nossa! Que delícia! Ele é tudo de bom, tudo que sonhei a vida inteira.

Luiz Alberto não gostou de ouvir aquelas declarações. Irritadíssimo foi dormir no quarto dos filhos.

No outro dia, eles voltaram ao parque de exposições para assistir ao show da banda É o Tchan. Luiz Alberto foi à forra. Ele ficou excitadíssimo chegando a babar ao ver o rebolado das Sheilas Carvalho e Melo. Ele gritava, aplaudia e pronunciava baixinho predicados eróticos sobre as performances das bailarinas. Madalena não gostou do que viu e foi emburrada para casa com os filhos deixando lá o marido “tarado”.

Ambos ficaram sem conversar por algumas semanas. Cada um jogando na cara do outro as cenas revividas como um flash back. Ela orgulhosamente se dizia apaixonada pelo Zezé e ele, enciumado, se dizia apaixonado pelas Sheilas. A partir desses shows o convívio já não era o mesmo. Um sempre jogava na cara do outro as situações vividas na exposição. Houve um grande desentendimento. Ela se mudou para casa da mãe levando os filhos e procurou-me para fazer o seu divórcio. Depois de acaloradas discussões, ambos cederam e a separação não foi consumada. Prometeram respeitar-se mutuamente.

Para Madalena, Zezé de Camargo continua sendo o grande amor de sua vida, o homem que vai torná-la um dia a mulher mais feliz da terra.

Para Luiz Alberto, qualquer uma das Sheilas será a mulher que vai lhe devolver a alegria de viver.

Madalena ficou viúva, não se casou com o Zezé de Camargo. Ela preferiu trocá-lo pelo Josias com quem vive até hoje.

--
Escrito por Francisco de Santana