Relato um pouco da história do meu pai,
Que trabalhou em áreas perigosas, áreas de risco,
Centenas de metros de profundidades debaixo da terra
E quilômetros e mais quilômetros.

Relato um pouco da história da privatização das telecomunicações no Brasil.
Aonde andará os nossos companheiros que perderam o seu amado emprego?
Que sonhavam trabalhar, trabalhar até um dia se aposentarem.
Isso machuca,
Isso dói,
Isso fere.
Essa ferida não cicatriza.

1.
Conta-se a seguinte experiência
Vivida por homens trabalhadores
Que trabalham a vida inteira
Pensando em dias melhores
Muitos trabalham e recebem a gratidão,
Outros trabalham e só recebem decepção.

2.
Os patrões que eles mais confiam
Trabalham com amor e paixão,
Mas com um pé na frente e outro atrás
Pensando na traição.
Se eles depositam os seus direitos
Uns dizem que não depositam
Porque estão devendo ao leão.

3.
Essa mesma história
Aconteceu com o meu pai,
Que trabalhou em vão.
Pagou todos os seus direitos
Os direitos foram um não
Quando foi se aposentar,
Foi aquela decepção.

4.
Meu pai se desesperou
Deus nos acuda e nos benza!
Vê os estudos dos filhos
Descer na correnteza.
Saímos da nossa terra natal,
Fomos para uma fazenda
Apanhar algodão.

5.
O patrão disse ao meu pai
— Tem um problema, vou citar:
Não tenho casa desocupada
Para o senhor morar.
Meu pai disse: — Patrão,
Só quero que o senhor,
Diga que eu fique
Eu já tenho onde morar
— Onde seu Manoel?
Debaixo de um pé de oiticica?

6.
Moramos seis meses,
Agradecendo a Deus
Por ter onde morar.
No fim do ano,
O patrão fez nossa casa
Mudamos para o nosso lar.
Exponho as conclusões
A que chegamos sem alvoroço
Agradecendo a Deus
Por ter saído do fundo do poço.

7.
Se tu amas o nosso Deus
Não se desespere retrucando
Todo dia, toda hora,
Deus está ao nosso lado.
Se nós somos filhos d´Ele
Somos abençoados.
Quem está com Deus
Não está desamparado.

8.
Jesus Cristo olhou para nós,
Nós olhamos para Jesus.
Tenha muita fé,
Sua fé te conduz!
Acredite em nosso Redentor
Que nos protege.
É Jesus, o nosso Salvador!

9.
Trabalhei com os meu pais
Ao completar 18 anos,
Fui servir o exército.
Não sabia nem marchar,
Aprendi cantar o Hino Nacional
Que é obrigado cantar
Com muito entusiasmo.
Para servir um ano engajei,
E reengajei
Para servir mais seis anos.

10.
O exército quis me transferir
Para o quartel na Amazônia,
Mas algo nos atrapalha.
Eu não fui transferido
Com medo da febre amarela e da malária.
Já perto de ser licenciado
Sempre consciente
Não fiquei nem um pouco afobado.
Não se desespere,
Porque Deus está ano nosso lado.

11.
Me ajoelhei e pedi a Deus
Que me desse um emprego.
De imediato recebi
Um aviso abençoado
Quando fui licenciado
Já sai do quartel empregado.
Satisfeito no emprego
Com os meus apogeus
Feliz da vida e agradecendo a Deus.

12.
Nessa empresa trabalhei três anos
O patrão muito bom e amigo,
Os amigos fiéis e companheiros.
Companheiros eles eram de verdade
Encontravam neles só felicidades
Amigos de todas as horas
Todos dialogavam com dedicação
Nós trabalhávamos respeitando
A empresa e o patrão.

13.
Deus nos dá o frio
Conforme o cobertor.
Ele nos aquece
Com carinho e com amor.
Se ama o nosso Deus,
Não se lembre dele
Só quando sentir dor.
Lembre-se que Deus
É o nosso Salvador!

14.
Olhe, como Deus é bom.
Em 1975, fui trabalhar
Em uma empresa
De porte multinacional,
Uma empresa de elite
Do Governo Federal.
Era a segunda do Brasil
Nos tempos atrás
Só perdia para a Petrobrás.

15.
Trabalhei vinte e cinco anos
Na Telecomunicações do Rio Grande do Norte,
TELERN como era conhecida.
Para quem tem coragem de trabalhar,
Não existe empresa ruim.
Empresa amada por todos nós
Tínhamos o maior prazer em elogiar.
Trabalhávamos com amor e paixão.
A empresa investia nos funcionários
Com a maior satisfação!

16.
Presidente, vice-presidente,
Gerentes e chefes em geral
Pessoas dignas e profissionais.
Um quadro funcional competente e leal,
Todos trabalhavam com alto astral.
Nós sempre dizíamos:
— Empresa como essa
Não tem igual!

17.
Podemos dizer com alegria,
E com muita satisfação,
Recebemos o resultado
Da gloriosa expansão:
Instalar telefones
Em toda região.

18.
167 municípios
O Rio Grande do Norte tem
Todos receberam telefones,
Nenhum diz que não.
Todos foram beneficiados
Com a gloriosa expansão.
Trabalhávamos com amor e carinho
Para atender o povão.

19.
Trabalhávamos dia e noite
Ganhávamos nossos ordenados
Não tínhamos do que reclamar
Ganhávamos diárias e horas extras.
Para a expansão avançar
Não tinha dia nem hora
Para trabalhar.
Para nós era uma maravilha
Ordenados, diárias e horas extras.
O INSS e o SISTEL descontar
Para quando atingir a idade
Nos aposentar.

20.
Me aposentei na TELERN
Com tempo de serviço completo.
Tudo bem organizado
Com empresa que trabalha certo.
Meus empregos todos foram bons,
Foram todos corretos.

21.
O efetivo de empregados da TELERN,
Eram 1.104 funcionários.
Todos cumpridores dos seus deveres,
Honestos, trabalhadores e competentes.
Todos considerados polivalentes.
Nós já sabíamos o que fazer,
Não tinha desânimo no trabalho,
Todos trabalhavam com prazer.

23.
Mas enquanto a empresa vai bem
Aparece alguém para atrapalhar.
Em 1996, veio a moeda real
Para a economia avançar
Criaram outro plano
Que só veio para atrapalhar.

24.
Foram privatizadas as telecomunicações,
Pegaram os empregados de surpresa.
Todos ficaram sem ação,
Quem estava aposentado
Teve um pouco de sossego,
Mas a maioria dos empregados
Perdeu o seu amado emprego.

25.
Os amigos, todos profissionais,
Ficaram sem destino
Com um pé na frente outro atrás.
Pegou todos de surpresa
Ninguém esperava
Essa tragédia, jamais.
Para o trabalhador
Foi uma ousadia.
Trabalhávamos com amor
Pensando na nossa benfeitoria.

26.
Se trabalhávamos na TELERN
Não tinha o que reclamar.
Trabalhávamos pra TELERN,
Não pra TELEMAR.
Ganhamos dinheiro suado,
Trabalhávamos com amor e paixão.
Ninguém esperava
Essa decepção.

27.
Reclamamos do golpe do Governo,
O que ele deu na nossa aposentadoria.
Veja com bons olhos que é suborno,
Trabalhamos a vida inteira
Para continuar dentro do forno.
Veja que nós temos razão,
Não estamos pedindo favores
Para receber nosso quinhão.

28.
Sempre para os trabalhadores
Que trabalham para o progresso do Brasil,
Sempre aparece alguém
Para desmanchar o seu perfil.
Hoje, não é mais TELERN, não é mais TELEMAR,
Já é de outro dono, é da OI.
Não gosto nem de me lembrar.

29.
Não gosto da OI, nem da TELEMAR.
Eles compraram a TELERN
Dizendo aos trabalhadores
Que os nossos direitos trabalhistas
Eles iam nos pagar.
Estamos esperando até hoje
Os nossos direitos arrecadar.

30.
O progresso do Brasil
Quem fortalece são os trabalhadores
Com as mãos calejadas.
Trabalham com dignidade e amor,
Mas na hora da recompensa
É aquele clamor.

31.
Nos anos das eleições
Para presidente e governadores
Os nomes dos aposentados são opções.
Faça algo por nós
Antes das eleições.
Porque os aposentados
Têm suas razões.

32.
No Senado Federal,
Tem mais de 80 senadores.
Em nome dos aposentados das Teles
Todos somos solidários,
Pedimos a Vossas Excelências
Para derrubarem o fator previdenciário.

33.
Em Brasília, na Câmara Federal,
Tem mais de 500 deputados,
Pedimos a Vossas Excelências
Para derrubarem o fator previdenciário.

34.
Nós trabalhadores desprezados
Amamos vocês de coração,
Façam algo por nós
Antes da eleição.
Se estão no poder, lembrem-se vós:
O patrão
De Vossas Excelências
Somos nós.

35.
Têm muitos aposentados
Que se aposentaram com dez salários,
Estão preocupados
Porque não sabem do seu destino.
No decorrer dos anos
Estão ganhando o salário mínimo.

36.
Na época, venderam as Teles.
Parabéns, bato palmas,
Fazer o quê, vocês têm razão!
Mas esqueceram de três itens:
Saúde, segurança e educação.
São vinte e seis Estados
E um Distrito Federal.
Desempregou muitos trabalhadores
Foi um clamor geral para comentar,
Uns conseguiram empregos
Outros foram negociar.

37.
Uns conseguiram emprego,
Outros foram negociar.
O sonho dos telernianos
Um dia se aposentar,
Se aposentar em uma empresa
Que há muitos anos
Só sabiam amar.
Amavam com tanta paixão,
Que só sabiam elogiar.

38.
Uma empresa amada por todos
Era a TELERN, não a TELEMAR.
Os funcionários tinham
O maior prazer em admirar.
Hoje, só vivemos na lembrança
Da TELERN, não da TELEMAR.
Quem vive de passado é museu,
Não gosto nem de me lembrar.

39.
Ao chegar na TELERN
Eram só alegria e beleza,
Os amigos fiéis
Não existia tristeza.
Trabalhávamos felizes
Com muita nobreza,
Só felicidade,
Nada de tristeza.
Era uma empresa de elite,
Cheia de nobreza.

40.
Somos cidadãos,
Temos o direito de nos expressar
Trabalhamos com responsabilidade
Sem precisar estressar.
Onde estão os amigos,
Amigos fiéis e companheiros?
Por que tantas injustiças,
Com os nossos amigos verdadeiros?

41.
Se aposentou José, João e Januário,
Mas por via do destino
Apareceu o fator previdenciário.
Para todos os meses
Mexerem com nosso salário.
Ninguém fala por nós
Sobre o fator previdenciário.
Se não cuidarem urgente
Breve, estamos ganhando um salário.

42.
Votamos nos senadores,
Nos deputados federais.
Façam algo por nós,
Que nós somos merecedores.
Pagamos nossos direitos,
Não estamos pedindo favores.
Lembrem-se que os aposentados
São merecedores.

43.
Encerro essas prosas
Com muita emoção.
Relatei alguns fatos,
Peço paciência
E sua compreensão.
Políticos bons nós temos,
Só falta administração,
Empregar o dinheiro do povo
Na saúde, segurança e educação.

44.
A educação vem do berço,
Do berço vem a união.
Temos que fazer a nossa parte
Para ter uma boa educação.
Se nasce uma criança
E os pais educam, temos união.
Se nasce uma criança
E os pais não educam
Só temos desavenças.

45.
Moradia para os necessitados,
Pobreza jamais.
Cuidar melhor da nação.
Gerar emprego para os desempregados.
A nação quer viver com dignidade,
Ter o seu direito de expressão,
O povo quer se sentir à vontade,
A população quer estar livre e solta,
A nação pede aos governantes a liberdade.

46.
Pessoas do bem só andam assombradas,
A insegurança está tomando conta
Do nosso Brasil.

47.
Brasil, gigante pela própria natureza,
Você é um país livre,
Só está faltando compreensão
Dos nossos políticos para libertar a nação,
Porque o povo do bem está engaiolado,
Sem ter o direito de expressão.

48.
Há 60 anos, os brasileiros tinham
A liberdade de conversar com os vizinhos
Na frente de suas casas.
A insegurança está tomando conta do nosso Brasil.
Brasil, gigante pela própria natureza,
Acorde você está dormindo demais.
Nós do bem te amamos:
Brasil...

--
Escrito por Francisco de Santana