O tal do “não era pra ser” sempre nos persegue, não é? Primeiro a gente se encontra, depois se apaixona e por fim, o “não era pra ser” estraga tudo e nos faz voltar a estaca zero de novo. Essa frase já me deixou nervosa demais, triste demais, encucada demais. Você sempre a usou pra justificar o motivo pelo qual não estávamos juntos, só que eu sempre soube: Dava pra ser, sim!

Dava pra me abraçar e me fazer carinho até que eu conseguisse dormir, dava pra me ouvir cantar nos meus dias felizes, dava pra discutir comigo, dava pra me fazer te deixar ganhar nos nossos jogos, dava pra me amar e também dava pra continuar aqui. Do meu lado.

Dava pra sorrir ao me ver, dava pra me fazer surpresas, dava pra ir ao parque e ao cinema com você. Dava pra chorar no teu colo e te consolar enquanto você também o fazia. Dava pra morrer de rir e também argumentar muito contigo. Dava.

Eu sei que tudo aconteceu rápido demais, você foi rápido demais e eu burra o suficiente pra não entender que “aquilo” poderia se tornar alguma coisa. Quando me dei conta, você já tinha ido, eu tinha me apaixonado, mas não dava mais. NÃO-ERA-PRA-SER. Não poderia ser, porque nós nos forçamos a acreditar que as coisas simplesmente aconteceram assim por sei lá quais motivos. Que as coisas aconteceram na nossa vida, sem possibilidade de mudança. Mas deixa eu te contar um segredo bem legal: Talvez fosse pra ser. De verdade.

Eu teria sido a pessoa que te completaria, a pessoa que te escutaria e que te amaria até de mau humor. Você teria sido o cara ciumento, engraçado e que me abraçaria até ter certeza de que eu seria só sua. Nós teríamos planejado nossas estantes de livros, um a um, imaginando o momento exato que leríamos aquelas histórias juntos. Nós nos aventuraríamos em busca de emoção e coisas novas.. Nós nos amaríamos por inteiro, sem pensar em momento algum o quão mal isso poderia fazer na gente.

Mas, como você sabe, NÃO ERA PRA SER.

Talvez fosse, mas isso a gente não vai saber nunca, né?

--
Escrito por Jaqueline Lima