Logomarca da Sistel
Histórias de autor Icone

Histórias de Djalma Jaime Portela

  • +
    18.10.2017

    Um encontro marcante

    Meu olhar fixo para aquela pequena chama, como se estivesse praticando a lampadomancia. Ela me falava sobre minha vida com impressionantes, constantes e invariáveis afirmações e com absolutismo alto grau de acertos. A tudo isto provinha, posso afirmar, de quem conhecia minha vida melhor que eu. E eu não estava ali diante de nenhum profeta, […]

  • +
    02.10.2017

    O problema de um é de todos

    Um rato olhando pelo buraco na parede vê o fazendeiro e sua esposa abrindo um pacote e logo pensa no tipo de comida que pode haver ali. Ao descobrir que era uma ratoeira, ficou aterrorizado. Correu para o pátio da fazenda advertindo a todos. — Há uma ratoeira na casa, uma ratoeira na casa! A […]

  • +
    02.10.2017

    Preservar é preciso

    A Criança que fui Não sou mais Essa doce criança, embalada na ilusão, Deixei para traz. Assim, via a vida Sempre emoldurada. Ao simples abrir de minha janela, Ali estava ela, formosa e muito bela. Tal qual, um bem produzido poema Sempre inspirado pelo tema E ornado com delicadas rosas Decantado em versos e prosas. […]

  • +
    02.10.2017

    Eu nunca envelheço

    Envelheço quando me fecho para as novas ideias e me torno radical. Envelheço quando o novo me assusta e minha mente insiste em não aceitar. Envelheço quando me torno impaciente, intransigente e não consigo dialogar. Envelheço quando meu pensamento abandona sua casa. E retorna sem nada a acrescentar. Envelheço quando muito me preocupo e depois […]

  • +
    02.10.2017

    Carnaval, máscaras e poesia

    Abordei esse tema em uma publicação do Jornal da federação do movimento de bairros da baixada fluminense no ano 1986. Semelhante ao formigueiro que acabara de ser bulido, gente que vai, gente que vem e é raro o bairro que não tem um bloco, cordão ou algo que se assemelha. E com grande propriedade, disse […]

  • +
    02.10.2017

    À cerca de mim

    Caríssimos leitores, permitam-me a liberdade de falar de mim quando mergulhei n’alma de alguém que havia perdido um grande e tão sonhado amor. Acerca de mim Autor: Djalma Jaime Portela Sou como um cálice de cristal, Próprio para um raro bom vinho, Que aquece, Agrada, mas também embriaga! Seu líquido precioso! Perdeu-se… Quando o cálice […]

  • +
    20.09.2017

    Por que será que só você não vê?

    Por que será que só você não vê O meu sofrimento, a minha dor de amar? Por que será que você não me olha No momento exato que tem pra me olhar? Tudo que eu quero de você é tão pouco Mas você parece não me entender Faz um jogo duro até me vira as […]

  • +
    20.09.2017

    Andei por entre montanhas

    Andei por entre montanhas, E por vales também caminhei, Frio intenso, havia momentos alternados de sol escaldante, E na tipologia de um deserto, solidão eu enfrentei. Sempre a procura de um amor, Sem abas nem beiras, sem máculas, Que me fosse puro, fiel, verdadeiro, sem fronteiras, Chorar! Confesso que chorei, sorri, nem sei… Foi quando […]

  • +
    20.09.2017

    A entrega perfeita do amor

    Quem me dera você ser minha namorada, Minha doce e amada, minha flor de mulher. Quem me dera poder estar em teus braços, E sentir o aconchego do teu abraço. Quem me dera ser tua alegria, Ser teu sorriso que contagia, Quem me dera ser teu chorar, Para contigo também nesta hora estar. Quem me […]

  • +
    11.09.2017

    Esta notícia é história real

    Linda menina Entre becos e vielas Nascida na favela Hoje se faz mulher. De pé no chão, Vestido remendado, Conviveu com preconceito E problema social… Papai noel Conhecia só de nome, A vida inteira, Uma cena natural. Olhos cheio de esperanças, Mulher feita ao mundo se lança. Dotada com meiguice, Herança da meninice. Agora… Cobiçada […]

  • +
    11.09.2017

    Aos olhos da fé

    Da janela do meu quarto posso ver a rua, as árvores, os carros parados e os que estão em movimento, Posso ver as pessoas andando apressadas. Da janela do meu quarto posso ver muito longe!! Vejo a cidade, os prédios, as casas, etc… Eu não vejo as montanhas, mas sei que estão lá, não vejo […]

  • +
    11.09.2017

    A locomotiva do foguista Valdemar

    Um lindo sabiá foi se deitar. Noite alcoviteira, dengosa faceira A lua cansada foi dormir, E até o vento, de tanto soprar, cansou e repousou E, em total cumplicidade, até a garoa que caia cessou. Todos dormiam, a coruja que na noite trabalha, o cão, Que vive vadiando, esta noite não vadiou, Todos dormiam menos […]

  • +
    31.08.2017

    Pelos olhos da paixão

    A lágrima que rola em meu rosto É o preço pago pelo desgosto. Quando iludida me entreguei, E em teus braços, te amei. Coração terra enganosa, Pelos olhos da paixão, Avistei o paraíso! Vi encantos, somente rosas! Visões oasianas. Tudo isso! Tão somente prosas Mas como em um manso ribeiro Mergulhaste, revestido de prazer, Impregnada, […]

  • +
    31.08.2017

    Em tua águas naveguei

    Hoje me entrego a ti, Senão estou morto! Em vida plena, também, não estou, Sou o que restou de mim. O que ainda em mim sobrevive, Como veem, em mim não há mais fartura Esse corpo franzino, que outrora, Caudal, torrente, por vezes, também mostrei fúria, Já tive dias de honras Boa fama, bravuras! Chamado […]

  • +
    22.08.2017

    Homenagem a Madureira

    Gostaria de poder contribuir fazendo uma singela homenagem ao bairro do Rio de Janeiro onde nasci. Hoje em função do progresso, esse bairro e todo entorno onde estava localizada minha saudosa casa só existe aqui neste poema. Por isso, Madureira, reviva aqui! Madureira, Oh! Madureira, berço amado, Em teu regaço, fui amparado, Embalou-me com cuidado, […]

Site desenvolvido por Corisco Design