Logomarca da Sistel
DRAMA Icone
  • +
    26.05.2017

    Facebook é sensacional, intrigante, extraordinário, fenomenal, fantástico e perigoso

    “Mara! Não dá tempo da gente se encontrar. Estou indo para Cabo Frio de madrugada festejar o Natal e para os festejos do réveillon e sei que você está viajando. Vou deixar as chaves da minha casa e da garagem naquele vaso de flores que fica na varanda sob algumas folhas. É só apalpar e […]

  • +
    26.05.2017

    Encontros e despedidas

    Manhã de sábado do dia 14 de março de 2015. Rumei para o terminal rodoviário de Barbacena esperar pela minha filha, Marina, que chegaria de Belo Horizonte às 9h30. Como bom mineiro, 9h eu já estava lá. O ônibus chegou às 10h. Não foi uma espera em vão, aproveitei o tempo disponível para analisar comportamentos […]

  • +
    11.01.2017

    História resumida em cordel – José Sobrinho da Silva “Chimbinha”

    Relato um pouco da história do meu pai, Que trabalhou em áreas perigosas, áreas de risco, Centenas de metros de profundidades debaixo da terra E quilômetros e mais quilômetros. Relato um pouco da história da privatização das telecomunicações no Brasil. Aonde andará os nossos companheiros que perderam o seu amado emprego? Que sonhavam trabalhar, trabalhar […]

  • +
    11.01.2017

    Como me envolvi no submundo das drogas

    Pela manhã, fui buscar meu carro na garagem, um pouco distante da minha casa. Ela acomoda outros três carros. Um deles estava estrategicamente num local obstruindo a passagem do meu. Fiz malabarismos para sair sem bater. Depois de muitos esforços, exclamei: que droga! Na rua trafegava na minha frente, lentamente, um Fiat 147, amarelo, em […]

  • +
    06.01.2017

    Desabafo do meu cachorro

    Eu estava assentado no sofá e um olhar inquietante incomodou-me. Era do Léo, nosso cachorro de estimação. Ele parecia querer conversar comigo. Sua sensibilidade, franqueza e lealdade impressionaram-me. — Tudo bem, Léo? Que olhar estranho é esse? Quer conversar? Sou todo ouvido. — Santana, conheço você há 11 anos e a palavra “diálogo” entre nós […]

  • +
    24.09.2016

    A amiga misteriosa

    Ele tinha muitos problemas com a esposa, mas tinha que aturar porque tinham dois filhos para orientar e ver independentes. Ela já era sozinha, não aguentou o marido. Pelos filhos, ainda para criar, voltou ao mercado de trabalho. Encontraram-se um dia em uma reunião de amigos. Começaram a conversar. Mil lembranças dos tempos de criança […]

  • +
    24.09.2016

    A morte veio pelo telefone

    A história que eu vou contar aconteceu comigo. Até os anos de 1966,o sistema telefônico em São Paulo era precário, existiam poucas linhas e, geralmente, somente a classe alta é que tinha aparelho telefônico. Após esse período, o governo criou o famoso plano de expansão telefônico, criando centrais telefônicas em toda a capital para atender […]

  • +
    22.07.2016

    Fila da amizade

    Um dia fui marcar uma consulta na clínica médica para investigar minha saúde. No dia, fui com preguiça e sem expectativa nenhuma, mas na fila de espera percebi que enquanto você aguarda para ser atendido também é uma oportunidade de interagir e, quem sabe até, fazer novas amizades, ainda mais eu que sou muito comunicativa. […]

  • +
    22.07.2016

    Minha adesão

    A história que vou contar aconteceu quando da formação da Fundação Sistel. Naquela época, eu era chefe de setor de instalação da empresa Telesp em São Paulo, capital, onde era responsável por cerca de 180 funcionários. Nessa ocasião, a futura Fundação designou uma equipe para visitar as áreas de telecomunicações para expor suas atividades e […]

  • +
    22.07.2016

    Calcanhar de craque

    Certa vez, estava participando de uma partida de futebol contra um time do qual não gostávamos de perder. O jogo estava super disputado, o placar era de um a zero para o adversário. Já estávamos no segundo tempo, faltavam poucos minutos para terminar a partida. A torcida reclamava dizendo: — Não queremos perder para eles. […]

  • +
    22.07.2016

    Um Brinde a Sistel (acróstico)

    Serviço confiável, laboral. Invicto para mim, sem marido. Assim Sempre disponível, incrível. Tanta segurança, bonança. Em relevância na minha vida, Líquida, dá mais vida, segurança e SAÚDE. Tim Tim. — Escrito por Helena de Fátima Souza

  • +
    22.07.2016

    Sobretudo o sobretudo

    Prestar atenção e rezar eram as únicas coisas que poderia fazer. Na sua frente estava a arma. Um tresoitão, como eles gostavam de dizer. Engatilhado. Podia ver as pontas negras das balas no tambor da arma e o cão no ar. Qualquer decisão poderia ser errada. Aquele dia foi o marco divisionário da sua vida. […]

  • +
    26.05.2016

    A morte da Amazônia em versos

    O zumbido da motosserra na mata ecoou E o canto do Uirapuru, a fumaça calou. Ê, dança boi… Os brincantes dançam no curral, No São João e no Carnaval, Cantando a morte da Hiléia. Dança boi… De um lado é vermelho, vermelhão. Do outro é azul, de coração. No festivo bumbá de Parintins Dança boi… […]

  • +
    04.04.2016

    A noz, o burro, o sino e o preguiçoso só trabalham com pancadas

    Cresci ouvindo minha mãe dizer: “É de menino que se torce o pepino” e “A noz, o burro, o sino e o preguiçoso sem pancada, nenhum faz seu oficio”. Precedia às falas, broncas, tamancadas, puxões de orelhas e varadas. Por muito tempo eu não entendia o significado do ditado: “A noz, o burro, o sino […]

  • +
    04.04.2016

    A história do Brasil contada em música

    Tudo começou com a chegada dos portugueses. “Terra à vista!”. “Ai Bate o Pé!/Bate o Pé!/Bate o Pé!/Ai Bate o Pé!/Faça assim como eu/Ai Bate o Pé!/Bate o Pé!/Bate o Pé!/Foi assim que meu amor/Me prendeu…”. “Índia, seus cabelos nos ombros caídos,/Negros como a noite que não tem luar;/Seus lábios de rosa para mim sorrindo/E […]

  • +
    06.01.2016

    I need you, praia de Grumari

    Grumari, Prainha, mil novecentos e qualquer coisa. Antigamente, para se chegar a Grumari tínhamos que dar uma enorme volta, pois no meio da estrada principal existia uma grande pedra impedindo a passagem dos carros e das pessoas, a não ser que a escalassem. Então, íamos até ao final do Recreio pegávamos um trecho da antiga […]

  • +
    10.09.2015

    O prazer de ensinar

    Criança ainda, ali pelos meus 11 anos, fui convidada por uma amiga para ensinar leitura a duas irmãs adolescentes, de 15 e 16 anos. No princípio me assustei, depois me deixei convencer. Afinal, não deveria ser tão difícil assim ensinar as primeiras sílabas àquelas meninas tão simpáticas. Me enganei. Parecia tão simples, mas não conseguia […]

  • +
    10.09.2015

    Lei da sobrevivência ameaçada em minha terra natal

    Cachoeiro de Itapemirim é carinhosamente chamado de “A capital secreta do mundo”. Principal centro econômico do sul do Espírito Santo, é o segundo polo mais importante do estado, depois da conturbada Vitória, a capital. Cachoeiro tem uma das maiores jazidas de mármore do Brasil e é um centro internacional de rochas ornamentais. A cidade também […]

  • +
    10.09.2015

    A guerra

    Ignorando minhas vontades, tiraram-me do turno da manhã, já no segundo semestre do meu primeiro ano escolar. Além de preencher com aulas o melhor período para brincar, perdi, também, os melhores amigos e parceiros; eles não foram transferidos para a tarde. Minha mãe tentava me consolar, dizendo-me que às vezes um mal floresce para um […]

  • +
    10.09.2015

    Férias com vovô

    Na fazenda do meu avô, a noite chegava sempre faceira. Ela surgia de sob a mata, enquanto por cima a tarde se afastava preguiçosamente aos gorjeios. Certa vez, num desses lusco-fuscos, vovô tinha acabado de aparelhar uma cangalha, guardava ferramentas, quando minha avó chegou avexada: – Domingos! Rápido! Tem uma baita raposa arrudiando o galinheiro! […]

Site desenvolvido por Corisco Design