Logomarca da Sistel
DRAMA Icone
  • +
    10.09.2015

    O livro da vida

    Eu, minha filha ainda criança e sua amiguinha, íamos nós três caminhando e conversando, papeando. De repente, fui indagada pela amiguinha da minha filha: – Tia, se você ficasse rica, ainda andaria a pé? Ao que eu lhe respondi: – Mas vocês não sabiam que eu sou rica? A minha filha rebateu: – Como assim!? […]

  • +
    10.09.2015

    Servir aos outros e a vontade de fazer um bom trabalho

    Já se passaram quase 40 anos, foi quando Cuiabá ainda era atendida pelo Grupo Motor Gerador. Várias vezes por dia, caía a energia, e o calor ficava quase insuportável. Nas caixas e galerias de cabos, o calor chegava a 50º C. Veja que falta de energia não é novidade há muito tempo. Era dia de […]

  • +
    10.09.2015

    Minha vida, ditadura e governos

    A minha história é consequência da ditadura militar e também da ditadura da democracia, e muitos ficam fazendo drama sobre essa realidade. A minha história vem da roça, onde tínhamos obrigações e deveres a serem cumpridos, para que vivêssemos felizes. A ditadura militar e a sua política prenderam meu avô, e aí começamos a perder […]

  • +
    07.09.2015

    Um carta que encontrei

    Em uma determinada manhã de uma quinta-feira que não parecia ser nada além de ordinária, estava preocupado apenas em encontrar a minha chave de mandril para terminar meus afazeres domésticos, quando encontrei, no fundo de uma gaveta esquecida de uma cômoda de mogno antiga e imponente que estava no canto do quarto, um papel um […]

  • +
    01.08.2015

    E o ninho ficou vazio…

    Tudo aconteceu no verão de 2010. Logo depois das festas de final de ano, eu já estava preocupada. Sabia que, logo, minha filha do meio (eu tenho três filhas) voltaria para a Alemanha, onde estava vivendo desde 2008. Isso era fato, não tinha como mudar. Pensava que não podia me queixar: ela estava em busca […]

  • +
    01.08.2015

    Presentinho da vovó

    Dia 12 de novembro de 1998, privatizações das telecomunicações, aposentadoria fora de tempo, tudo, tudo muito difícil de entender por conta de tantas novidades, tudo tão confuso! Lembro-me muito bem daquele dia, precisei ir até o pronto atendimento, pois fiquei com urticária, alergia por conta da confusão da privatização. Mas nem tudo era tristeza e, […]

  • +
    01.08.2015

    Conversar na fila

    Um dia fui marcar uma consulta na clínica médica, para cuidar da minha saúde, e consegui agendar para umas duas semanas. Fui com preguiça e sem esperar nada, mas na fila de espera percebi que, enquanto você aguarda para ser atendido, existe uma oportunidade de interagir e, quem sabe, até formar novas amizades – ainda […]

  • +
    01.08.2015

    Queria ser telefonista da Telesp a todo custo

    Após uma infância feliz, recheada de brincadeiras de rua, um cotidiano sem preconceitos e aquela malícia saudável dos anos 1970 – apesar de carente de artigos de luxo, de mesa farta, de brinquedos e de material escolar que não fosse sobra de meus irmãos –, fui obrigada a interromper os estudos que eu tanto amava […]

  • +
    01.07.2015

    Assim se contam as lembranças

    Meu irmão, Rui Menezes de Farias, fez uma música quando eu tinha 10 anos para me homenagear. Em 2011, eu entrei para a Banda 6.0, aproveitei o arranjo dele e escrevi: Assim se contam as lembranças escritas por quem sabe cantá-las. Juntamos nossos instrumentos e formamos uma banda. Quem tem raiva se enfeza. Rui, a […]

  • +
    01.07.2015

    Café azedo, Começar de novo, Dar a volta por cima, Nada como um dia após o outro ou A minha estrada de Damasco

    Ao longo da nossa existência, nos deparamos frequentemente com situações adversas, muitas vezes pouco suportáveis, mas que nos levam a um aprendizado maior, seja no campo pessoal, seja no profissional. Uma dessas passagens me leva a contar esta história, que se deu em 1971, já em Florianópolis. Eu era recém-chegado de São Paulo, estava “uma […]

  • +
    31.03.2015

    A morte chegou pelo telefone

    Eu fui contratado como funcionário da antiga C.T.B (Companhia Telefônica Brasileira) no ano de 1964, e no ano de 1967 fui designado para coordenar equipes de instalação de telefones, em expansão, que não aconteciam há décadas na cidade de São Paulo. As instalações que eram programadas, eram pedidos muito antigos, coisa de até dezena de […]

  • +
    13.02.2015

    Uma mulher que marcou a minha vida

    Eu a conheci, primeiro, pelas palavras que a descreviam. Todos seus dons, todo o seu jeito de ser, todo o seu jeito de gostar. Não foi o descrever de toda uma vida, mas palavras suficientes para, de imediato, despertar em mim o carinho e o bem querer por alguém que dedicara sua vida a cuidar […]

  • +
    07.02.2015

    Uma luz para a criação da Sistel

    Eis aqui a minha história verdadeira que começou no ano de 1965, na Central Telefônica de Bento Ribeiro, estação, na época, 90. Eu, Antonio Irapuan Gonçalves Cavalcanti e Waldyr Bento, resolvemos criar uma caixinha de natal, na qual beneficiaria todos os empregados que se associassem, com empréstimos mensais de pequenas quantias, que seriam pagas no […]

  • +
    06.02.2015

    Um conto de Natal da minha infância

    Enfim o dia tão esperado. Era véspera, mas sempre foi nesse dia que a gente ficava todo eufórico. A igreja estava festiva, toda enfeitada e iluminada e com um lindo presépio montado por alguns fiéis, que chamava a atenção por sua originalidade. Na aula de catecismo, o Zequinha nos entregou o cartãozinho de freqüência habitual […]

  • +
    02.02.2015

    Melhor presente

    Uma menina correndo e brincando na rua, Silvania o nome dela, parecia normal até alguém saber que era cega. Aquilo tocou seu coração, seguiu a menina e descobriu onde morava, eram 5 irmãos, a mãe usava a filha para pedir esmola. A pessoa pediu para a mãe deixar ajudar a menina na esperança de um […]

  • +
    02.02.2015

    Colcha de retalhos

    É janeiro. Foram-se festas, sonhos, ilusões… Mas, as férias ainda não acabaram. O verão continua! E isto é o que mais importa para os garotos de um povoado longínquo. Pedaço ínfimo e largado, deste Brasil grande e desconhecido. – Por que essa cara, filho? – Nada não! – Eu te conheço! Aposto que o jogo […]

  • +
    15.10.2014

    Amargo, azedo ou doce: são muitos os sabores que a vida oferece

    Corra, Martha, vamos catar tanajuras para o almoço. – E é gostoso? – Se é eu não sei, mas é o que temos para hoje. Tive este diálogo com meu irmão na minha infância. Aqueles tempos difíceis eram apenas um tira-gosto do que a vida me reservava para mais tarde. A luta de minha formação […]

Site desenvolvido por Corisco Design