Logomarca da Sistel
HUMOR Icone
  • +
    24.09.2016

    Um estranho idioma no meio da noite

    Num certo ano da década de 1970, como aconteceria em vários outros, fui despachado para Brasília com o propósito de participar da fase preparatória do Congresso Brasileiro de Telecomunicações na companhia de alguns colegas de outras áreas da TELEPAR, empresa à qual servi até a privatização – encerrei minha carreira na TIM, anos depois. No […]

  • +
    24.09.2016

    Um guarda-fios amante da natureza

    Vou contar uma passagem vivida lá por volta de 1972 ou 74, não tenho muita certeza da data, mas está gravado na minha mente como se fosse recentemente o ocorrido. Admitido pela CTB e, posteriormente, pela TELESP como trabalhador de linhas, eu tinha contato com o pessoal da instalação, do reparo e com os famosos […]

  • +
    24.09.2016

    Não foi fácil falar com Salvador

    Pouco depois de inaugurado o prédio tijolado à vista da Rua Rio de Janeiro, anos 80, no andar térreo começou a funcionar um bonito e funcional “PS” (Posto de Serviço), com diversas cabines telefônicas para ligações locais, interurbanas, estaduais, nacionais e internacionais. No andar de cima passou a funcionar o Departamento Comercial da Telecomunicações de […]

  • +
    23.09.2016

    A bermuda não combinou com a pressa

    Todo dia 30 de cada mês, junto as contas de água, luz, telefone e tantas outras e me dirijo ao Multibank para efetuar os pagamentos. Não me lembro do motivo, mas a verdade é que passei batido da data, já era primeiro do mês seguinte e não havia pagado nenhuma conta. No dia em que […]

  • +
    22.07.2016

    As deliciosas costelas do porco de rua Uruguai (ou um modesto conto de Natal)

    I. Deliciosas apenas, não. Eram também tenras, macias, suculentas, saborosas e, sobretudo, diferentes. À dorê, fritas, assadas, cozidas, ensopadas… Nunca houve, nem haverá, costeletas como aquelas. A pensão também era diferente de todas as outras da cidade. Não era no segundo andar. Havia apenas um degrau numa espécie de corredor largo, onde estava colocado um […]

  • +
    18.07.2016

    O Gordo e o Magro e seu humor número um

    Ouço na TV e nas rádios diversas músicas do grupo musical denominado de “Calcinha Preta”. Minha esposa gosta muito das músicas que eles apresentam. De vez em quando, a vejo cantarolando suas melodias. Aí é que começa de fato minha história. O título “Calcinha Preta” me faz recordar que, quando criança (entre 10 e 12 […]

  • +
    26.05.2016

    Marry, a gata branca

    Existe o Gato de Botas, a Gata em Teto de Zinco Quente, a Gata Borralheira e tantos outros felinos, mas… Bem, lá pelo Agreste de Pernambuco eu conheci uma jovem que criava uma gata branquinha como um floco de algodão, à qual ela deu o nome de Marry. Era o xodó da casa de Seu […]

  • +
    26.05.2016

    Yoga, para a saúde é pá-pum

    Não há maior riqueza para um ser humano do que viver em paz e harmonia. “Somente o fato de tentar o caminho da yoga, eleva a criatura humana” (Bhagavad Gita). A Yoga nos faz entrar em contato com as forças mais profundas do nosso Eu Interno. Patânjali, sábio indiano disse que a Yoga é a […]

  • +
    26.05.2016

    Fortaleza, uma terra irreverente

    Entre outras histórias que contamos sobre Fortaleza, capital do Estado do Ceará, há aquela famosa que aconteceu quando as pessoas que se encontravam na Praça do Ferreira, após mais de uma semana de chuvas fortes, o que é difícil por aqui, o sol apareceu radiante, feliz e muito forte. Isso ofereceu a oportunidade para que […]

  • +
    26.05.2016

    Jurubebas para a professora

    Jurubeba é uma fruta silvestre que era encontrada aos montes nos terrenos baldios do bairro dos Expedicionários. Servia para brincarmos de guerra, utilizávamos como bala nos nossos estilingues. Os mais velhos diziam que servia para o tratamento estomacal. Estudei no Grupo Escolar Santa Julia na quarta série ginasial, e minha professora era dona Miriam. Ela […]

  • +
    26.05.2016

    Instantâneos cotidianos de um pesquisador da Telerj

    Entrei para a Telecomunicações do Estado do Rio de Janeiro S.A. — Telerj em 6/2/1974. Comecei a trabalhar na Rua Beneditinos, no centro do Rio de Janeiro, numa seção cuja finalidade era fazer levantamento de novos mercados e, posteriormente, pesquisas de dados em todo o Estado do Rio de Janeiro. O objetivo era saber se […]

  • +
    26.05.2016

    Gratidão do cabista

    Comecei trabalhando na antiga Companhia Telefônica Brasileira — CTB, depois Telecomunicações do Estado do Rio de Janeiro — TELERJ, na qual trabalhei na área de rede subterrânea. Fui encarregado, encarregado geral, chefe de seção, chefe de divisão (na época chamava-se superintendência) etc. Lá trabalhei com muita gente humilde como cabistas, emendadores e aqueles que trabalhavam […]

  • +
    26.05.2016

    Diário pessoal

    Aposentada da Telebrasília, mudei-me para Goiânia e entre os anos de 2008/2010 fiz um curso no Instituto Federal de Goiás. A professora de português dando a matéria sobre “Diário Pessoal”. Já no último semestre do curso faleceu uma de nossas colegas de classe, a Zenaide. E eu escrevi para a professora: “Professora Kênia, A nossa […]

  • +
    11.04.2016

    No tempo das telefonistas

    Eu era engenheiro recém-formado quando, com muito orgulho, comecei a trabalhar na antiga Teleceará. Tudo me fascinava, as maravilhosas e bem cuidadas instalações, o trabalho com a tecnologia “de ponta” e principalmente as pessoas, os colegas e os chefes mais incríveis que já tive em toda minha vida profissional. Tudo e todos me ensinaram muito! […]

  • +
    04.04.2016

    Na esquina

    Naquela época eu cursava o Objetivo Vestibular para Medicina. A “barra” do vestibular sempre foi pesada, na ocasião, em nossa cidade, existiam apenas duas faculdades de Medicina, a Paulista (atual UNESP) e a Pinheiros (USP). O início do segundo semestre nos fazia ter certeza de que não haveria tempo para estudarmos todas aquelas matérias. As […]

  • +
    04.04.2016

    Brincadeira de intervalo

    Era para ser uma brincadeirinha do intervalo após o almoço, mas… Lá pelos idos de 1986, eu e mais alguns colegas da Telemig estávamos fazendo um treinamento em Belo Horizonte, no Centro de Apoio, como era conhecido na época. Participavam colegas de todas as regiões, alguns conheci ali mesmo. O curso era de segunda a […]

  • +
    04.04.2016

    História de cantadores

    Na minha adolescência passei uma temporada como barraqueiro (*) na fazenda Paraíso, interior da Paraíba. O local compunha-se de casa grande, curral de um lado, moradia do administrador do outro, em frente o barracão e alguns casebres nos quais residiam os serviçais e os vaqueiros. Não havia luz elétrica e as noites eram bastante monótonas. […]

  • +
    04.04.2016

    Uma vida melhor

    Estava eu a pensar na vida… (parece introito de novela portuguesa) enquanto não chegava algum cliente para ver os automóveis seminovos da loja do meu amigo Inácio, nesses tempos de vacas, ou melhor, “antas magras”. Quando me aparece o Reinaldo, um ser simples, morador de rua que limpa os matinhos da calçada — que meu […]

  • +
    04.04.2016

    Dia de plantão

    Estando de plantão num sábado, apareceu uma solicitação para que eu fizesse a supervisão de um telefone no Edifício Tiradentes. Chegando lá, por volta das oito horas, fui até o elevador. Quando entrei chegaram três senhores, um embriagado e outros dois querendo levá-lo para o apartamento. Acontece que o bêbado não queria subir. Então, um […]

  • +
    29.02.2016

    O Judas bêbado

    Às 15 horas da Sexta-Feira Santa, enquanto os católicos se apinham na Igreja Matriz da padroeira do bairro, o menino Bertinho corre até o seu Tio Tonho, apressadamente segura em sua mão e todo assanhado diz: – Tio, vamos descer o morrinho da vila para irmos até à casa da Dona Rosa para começar a […]

Site desenvolvido por Corisco Design