Logomarca da Sistel
LEIA Icone
  • +
    24.09.2016

    Um estranho idioma no meio da noite

    Num certo ano da década de 1970, como aconteceria em vários outros, fui despachado para Brasília com o propósito de participar da fase preparatória do Congresso Brasileiro de Telecomunicações na companhia de alguns colegas de outras áreas da TELEPAR, empresa à qual servi até a privatização – encerrei minha carreira na TIM, anos depois. No […]

  • +
    24.09.2016

    Um guarda-fios amante da natureza

    Vou contar uma passagem vivida lá por volta de 1972 ou 74, não tenho muita certeza da data, mas está gravado na minha mente como se fosse recentemente o ocorrido. Admitido pela CTB e, posteriormente, pela TELESP como trabalhador de linhas, eu tinha contato com o pessoal da instalação, do reparo e com os famosos […]

  • +
    24.09.2016

    Não foi fácil falar com Salvador

    Pouco depois de inaugurado o prédio tijolado à vista da Rua Rio de Janeiro, anos 80, no andar térreo começou a funcionar um bonito e funcional “PS” (Posto de Serviço), com diversas cabines telefônicas para ligações locais, interurbanas, estaduais, nacionais e internacionais. No andar de cima passou a funcionar o Departamento Comercial da Telecomunicações de […]

  • +
    23.09.2016

    A bermuda não combinou com a pressa

    Todo dia 30 de cada mês, junto as contas de água, luz, telefone e tantas outras e me dirijo ao Multibank para efetuar os pagamentos. Não me lembro do motivo, mas a verdade é que passei batido da data, já era primeiro do mês seguinte e não havia pagado nenhuma conta. No dia em que […]

  • +
    22.07.2016

    Memórias do Rio Paraíba

    O Rio Paraíba tem sua nascente na Serra da Bocaina e, além do estado de São Paulo, percorre Minas Gerais e Rio de Janeiro. Atravessa a região socioeconômica denominada Vale do Paraíba abastecendo várias cidades nesse percurso. Depois de transposto para o rio Guandu abastece a Região Metropolitana da cidade do Rio de Janeiro. O […]

  • +
    22.07.2016

    Fila da amizade

    Um dia fui marcar uma consulta na clínica médica para investigar minha saúde. No dia, fui com preguiça e sem expectativa nenhuma, mas na fila de espera percebi que enquanto você aguarda para ser atendido também é uma oportunidade de interagir e, quem sabe até, fazer novas amizades, ainda mais eu que sou muito comunicativa. […]

  • +
    22.07.2016

    Minha adesão

    A história que vou contar aconteceu quando da formação da Fundação Sistel. Naquela época, eu era chefe de setor de instalação da empresa Telesp em São Paulo, capital, onde era responsável por cerca de 180 funcionários. Nessa ocasião, a futura Fundação designou uma equipe para visitar as áreas de telecomunicações para expor suas atividades e […]

  • +
    22.07.2016

    Calcanhar de craque

    Certa vez, estava participando de uma partida de futebol contra um time do qual não gostávamos de perder. O jogo estava super disputado, o placar era de um a zero para o adversário. Já estávamos no segundo tempo, faltavam poucos minutos para terminar a partida. A torcida reclamava dizendo: — Não queremos perder para eles. […]

  • +
    22.07.2016

    Um Brinde a Sistel (acróstico)

    Serviço confiável, laboral. Invicto para mim, sem marido. Assim Sempre disponível, incrível. Tanta segurança, bonança. Em relevância na minha vida, Líquida, dá mais vida, segurança e SAÚDE. Tim Tim. — Escrito por Helena de Fátima Souza

  • +
    22.07.2016

    Sobretudo o sobretudo

    Prestar atenção e rezar eram as únicas coisas que poderia fazer. Na sua frente estava a arma. Um tresoitão, como eles gostavam de dizer. Engatilhado. Podia ver as pontas negras das balas no tambor da arma e o cão no ar. Qualquer decisão poderia ser errada. Aquele dia foi o marco divisionário da sua vida. […]

  • +
    22.07.2016

    As deliciosas costelas do porco de rua Uruguai (ou um modesto conto de Natal)

    I. Deliciosas apenas, não. Eram também tenras, macias, suculentas, saborosas e, sobretudo, diferentes. À dorê, fritas, assadas, cozidas, ensopadas… Nunca houve, nem haverá, costeletas como aquelas. A pensão também era diferente de todas as outras da cidade. Não era no segundo andar. Havia apenas um degrau numa espécie de corredor largo, onde estava colocado um […]

  • +
    18.07.2016

    O Gordo e o Magro e seu humor número um

    Ouço na TV e nas rádios diversas músicas do grupo musical denominado de “Calcinha Preta”. Minha esposa gosta muito das músicas que eles apresentam. De vez em quando, a vejo cantarolando suas melodias. Aí é que começa de fato minha história. O título “Calcinha Preta” me faz recordar que, quando criança (entre 10 e 12 […]

  • +
    26.05.2016

    Marry, a gata branca

    Existe o Gato de Botas, a Gata em Teto de Zinco Quente, a Gata Borralheira e tantos outros felinos, mas… Bem, lá pelo Agreste de Pernambuco eu conheci uma jovem que criava uma gata branquinha como um floco de algodão, à qual ela deu o nome de Marry. Era o xodó da casa de Seu […]

  • +
    26.05.2016

    Yoga, para a saúde é pá-pum

    Não há maior riqueza para um ser humano do que viver em paz e harmonia. “Somente o fato de tentar o caminho da yoga, eleva a criatura humana” (Bhagavad Gita). A Yoga nos faz entrar em contato com as forças mais profundas do nosso Eu Interno. Patânjali, sábio indiano disse que a Yoga é a […]

  • +
    26.05.2016

    A morte da Amazônia em versos

    O zumbido da motosserra na mata ecoou E o canto do Uirapuru, a fumaça calou. Ê, dança boi… Os brincantes dançam no curral, No São João e no Carnaval, Cantando a morte da Hiléia. Dança boi… De um lado é vermelho, vermelhão. Do outro é azul, de coração. No festivo bumbá de Parintins Dança boi… […]

  • +
    26.05.2016

    Fortaleza, uma terra irreverente

    Entre outras histórias que contamos sobre Fortaleza, capital do Estado do Ceará, há aquela famosa que aconteceu quando as pessoas que se encontravam na Praça do Ferreira, após mais de uma semana de chuvas fortes, o que é difícil por aqui, o sol apareceu radiante, feliz e muito forte. Isso ofereceu a oportunidade para que […]

  • +
    26.05.2016

    Jurubebas para a professora

    Jurubeba é uma fruta silvestre que era encontrada aos montes nos terrenos baldios do bairro dos Expedicionários. Servia para brincarmos de guerra, utilizávamos como bala nos nossos estilingues. Os mais velhos diziam que servia para o tratamento estomacal. Estudei no Grupo Escolar Santa Julia na quarta série ginasial, e minha professora era dona Miriam. Ela […]

  • +
    26.05.2016

    Minha história: de soldado da II Guerra a Sistelado

    Em 11 de novembro 1927 houve a maior enchente em Blumenau, Santa Catarina. Meu pai encostou um barco no primeiro andar para levar minha mãe para a maternidade a fim de dar luz à minha vida. Na Alemanha Em 1937, a família viajou à Alemanha para visitar os parentes. Infelizmente, Hitler não permitiu nosso retorno […]

  • +
    26.05.2016

    Instantâneos cotidianos de um pesquisador da Telerj

    Entrei para a Telecomunicações do Estado do Rio de Janeiro S.A. — Telerj em 6/2/1974. Comecei a trabalhar na Rua Beneditinos, no centro do Rio de Janeiro, numa seção cuja finalidade era fazer levantamento de novos mercados e, posteriormente, pesquisas de dados em todo o Estado do Rio de Janeiro. O objetivo era saber se […]

  • +
    26.05.2016

    Gratidão do cabista

    Comecei trabalhando na antiga Companhia Telefônica Brasileira — CTB, depois Telecomunicações do Estado do Rio de Janeiro — TELERJ, na qual trabalhei na área de rede subterrânea. Fui encarregado, encarregado geral, chefe de seção, chefe de divisão (na época chamava-se superintendência) etc. Lá trabalhei com muita gente humilde como cabistas, emendadores e aqueles que trabalhavam […]

Site desenvolvido por Corisco Design