Logomarca da Sistel
LEIA Icone
  • +
    26.05.2016

    Diário pessoal

    Aposentada da Telebrasília, mudei-me para Goiânia e entre os anos de 2008/2010 fiz um curso no Instituto Federal de Goiás. A professora de português dando a matéria sobre “Diário Pessoal”. Já no último semestre do curso faleceu uma de nossas colegas de classe, a Zenaide. E eu escrevi para a professora: “Professora Kênia, A nossa […]

  • +
    26.05.2016

    Uma casa estranha

    Em meados de 1972, eu trabalhava numa empresa de energia elétrica em Belo Horizonte e tinha muitos amigos lá. Um dia pela manhã, Antônio Maria, um desses amigos, disse-me que recebera a notícia de que sua mãe estava muito mal, podendo morrer a qualquer instante. Ela morava em Baependi, distante 380 Km de BH. Antônio […]

  • +
    11.04.2016

    No tempo das telefonistas

    Eu era engenheiro recém-formado quando, com muito orgulho, comecei a trabalhar na antiga Teleceará. Tudo me fascinava, as maravilhosas e bem cuidadas instalações, o trabalho com a tecnologia “de ponta” e principalmente as pessoas, os colegas e os chefes mais incríveis que já tive em toda minha vida profissional. Tudo e todos me ensinaram muito! […]

  • +
    04.04.2016

    Na esquina

    Naquela época eu cursava o Objetivo Vestibular para Medicina. A “barra” do vestibular sempre foi pesada, na ocasião, em nossa cidade, existiam apenas duas faculdades de Medicina, a Paulista (atual UNESP) e a Pinheiros (USP). O início do segundo semestre nos fazia ter certeza de que não haveria tempo para estudarmos todas aquelas matérias. As […]

  • +
    04.04.2016

    Brincadeira de intervalo

    Era para ser uma brincadeirinha do intervalo após o almoço, mas… Lá pelos idos de 1986, eu e mais alguns colegas da Telemig estávamos fazendo um treinamento em Belo Horizonte, no Centro de Apoio, como era conhecido na época. Participavam colegas de todas as regiões, alguns conheci ali mesmo. O curso era de segunda a […]

  • +
    04.04.2016

    História de cantadores

    Na minha adolescência passei uma temporada como barraqueiro (*) na fazenda Paraíso, interior da Paraíba. O local compunha-se de casa grande, curral de um lado, moradia do administrador do outro, em frente o barracão e alguns casebres nos quais residiam os serviçais e os vaqueiros. Não havia luz elétrica e as noites eram bastante monótonas. […]

  • +
    04.04.2016

    Uma vida melhor

    Estava eu a pensar na vida… (parece introito de novela portuguesa) enquanto não chegava algum cliente para ver os automóveis seminovos da loja do meu amigo Inácio, nesses tempos de vacas, ou melhor, “antas magras”. Quando me aparece o Reinaldo, um ser simples, morador de rua que limpa os matinhos da calçada — que meu […]

  • +
    04.04.2016

    A Força

    Gerações de jovens e também de adultos assistiram o filme “Guerra nas Estrelas” e conhecem a figura dos “jedis”. Eles são seres humanos treinados com conhecimentos superiores, capazes de desenvolver uma poderosa e invisível “força” a fim de com ela lutarem vitoriosamente pelo bem. Isso é apenas ficção científica dizem todos, inclusive os mais entusiasmados […]

  • +
    04.04.2016

    Dia de plantão

    Estando de plantão num sábado, apareceu uma solicitação para que eu fizesse a supervisão de um telefone no Edifício Tiradentes. Chegando lá, por volta das oito horas, fui até o elevador. Quando entrei chegaram três senhores, um embriagado e outros dois querendo levá-lo para o apartamento. Acontece que o bêbado não queria subir. Então, um […]

  • +
    04.04.2016

    A noz, o burro, o sino e o preguiçoso só trabalham com pancadas

    Cresci ouvindo minha mãe dizer: “É de menino que se torce o pepino” e “A noz, o burro, o sino e o preguiçoso sem pancada, nenhum faz seu oficio”. Precedia às falas, broncas, tamancadas, puxões de orelhas e varadas. Por muito tempo eu não entendia o significado do ditado: “A noz, o burro, o sino […]

  • +
    04.04.2016

    A história do Brasil contada em música

    Tudo começou com a chegada dos portugueses. “Terra à vista!”. “Ai Bate o Pé!/Bate o Pé!/Bate o Pé!/Ai Bate o Pé!/Faça assim como eu/Ai Bate o Pé!/Bate o Pé!/Bate o Pé!/Foi assim que meu amor/Me prendeu…”. “Índia, seus cabelos nos ombros caídos,/Negros como a noite que não tem luar;/Seus lábios de rosa para mim sorrindo/E […]

  • +
    29.02.2016

    O Judas bêbado

    Às 15 horas da Sexta-Feira Santa, enquanto os católicos se apinham na Igreja Matriz da padroeira do bairro, o menino Bertinho corre até o seu Tio Tonho, apressadamente segura em sua mão e todo assanhado diz: – Tio, vamos descer o morrinho da vila para irmos até à casa da Dona Rosa para começar a […]

  • +
    29.02.2016

    Amor incondicional

    Paulo era um amigo, casado com Tânia, torcedor do América do Rio e muito questionador. Conhecemo-nos há uns 15 anos, quando eu e minha esposa fomos ser coordenadores de uma equipe de casais no Encontro de Casais com Cristo da igreja católica. Após este encontro, havia uma dinâmica de encontros mensais entre os casais da […]

  • +
    29.02.2016

    Esse mundo pequeno…

    Em nosso dia a dia, testemunhamos fatos a toda hora. Alguns não nos causam nenhuma emoção e são esquecidos quase que imediatamente. Outros nos surpreendem pelas suas peculiaridades e ficam presentes em nossas memórias por um bom tempo. Mas temos aqueles que mais nos surpreendem e que nos deixam atônitos e com os olhos molhados. […]

  • +
    29.02.2016

    É boi na linha!

    Lá pelos idos de 1968, eu tinha um encarregado chamado Domingos Romano, que era responsável por receber as comunicações de interrupções ocorridas nos ramais de transmissões telefônicas de linhas interurbanas e, posteriormente, dar ciência a seus superiores. Um dia, em conversa informal comigo, contou-me a seguinte história (a versão é verdadeira): chovia muito na capital […]

  • +
    29.02.2016

    Uma ajuda familiar

    Vou contar uma história de verdade. Certa vez, logo após dar baixa no exército, fui com um amigo treinar no Botafogo do Rio de Janeiro. Ao chegar à Central do Brasil, caminhando pela Avenida Presidente Vargas vi aproximadamente 10 mil pessoas. Aproximei-me e perguntei às primeiras pessoas da fila porque estavam ali. Eles me responderam […]

  • +
    29.02.2016

    O Imprevisto em Maragogi

    Como Gerente Regional da Anatel para os estados de Pernambuco, Alagoas e Paraíba fiz várias viagens para Maceió. Sempre pelo litoral desfrutando das paisagens belíssimas, do azul do mar e do cheiro inconfundível da maresia. Libidos da natureza. Em uma dessas deslocações, ao longo do caminho de ida ouvi toda a história do motorista que […]

  • +
    29.02.2016

    E a prancha levou…

    Compilei das saudosas lembranças da minha meninice em Sapucaia de Minas, durante o ledo conviver sabático com meus avós maternos, entre tantas alegrias e folguedos, histórias como esta que a seguir relato. O meu avô contava que, na época da Maria Fumaça, um feitor*(português bem apessoado) para ter melhor visão da linha férrea, enquanto a […]

  • +
    29.02.2016

    O cachorro telefonista

    Ano de 1976, época das modernizações telefônicas… Em Conceição do Mato Dentro, Minas Gerais, substituímos uma central manual por outra automática que possibilitava a Discagem Direta à Distância – DDD. Pânico total! Pois, a maioria da população nunca tinha discado um único número, já que o serviço era manual. Agora, era preciso discar sete algarismos […]

  • +
    26.02.2016

    A magia e o encanto dos álbuns de figurinhas

    A Igreja de Nossa Senhora da Piedade, em Barbacena, está lotada de fiéis. São crianças, adolescentes, jovens, mulheres, homens, idosos e até cachorros nas portas laterais. Todos compenetrados no discurso esperançoso do padre. Muitos rezam baixinho, alguns fingem orar, outros olham incessantemente para o relógio e há aqueles que puxam os braços dos pais perguntando […]

Site desenvolvido por Corisco Design